Ás vezes o que a gente sente nem é amor, é apenas comodismo, medo de ficar sozinha, medo de não encontrar outro alguém, ego e etc…

Namorei durante 1ano e 7 meses, tínhamos um bom relacionamento até entre aspas…

No início ele era maravilhoso, me sentia super bem, até que fui me anulando, fui me enquadrando ao que ele falava sobre como “ser mulher” “como se comportar como mulher”, enfim eu ouvi o estereótipo de mulher perfeita para ele e fui me moldando a isso.

Acabei me tornando uma pessoa insegura, coisa que nunca fui antes, sempre me achava e me achava mesmo, dava risada na cara de quem me fizesse alguma crítica e nem ligava.

Fiquei com baixa estima, minha vida era olhar rede social das meninas que trabalham com ele e me sentir inferior e com isso achava que elas tinham mais valor que eu e então queria me enquadrar mais ainda no que ele dizia sobre “ser mulher”.

Tive uma crise de choro, de ansiedade, de tudo, eu não era mais eu, eu não me reconhecia.

Eu tinha um corpão, era malhada, um dos meus hobbies preferidos era academia, eu emagreci pq ele dizia que mulher tinha que ser magra, sem contar que ele regrava meus horários de ir para academia e na maioria das vezes inventava coisas pra fazer no meu horário de treino.

Linda, pra vc ter noção, até as minhas calcinhas ele queria controlar, sempre gostei das pequenas, ele queria que só usasse grande, enfim.

Então ele terminou comigo e sabe o que ele me disse?!

“Vc não está sendo vc, vc precisa ser vc”

Fiquei besta. Engoli aquelas palavras a seco, afinal ele estava certo.

Depois do termino nas 2 primeiras semanas foram 0 contato, senti um alívio por poder respirar tranquila, vestir a roupa que quisesse, ir onde quisesse na hora que quisesse.

Depois começamos a nos falar, mas como amigos e então veio a falta,

o medo de não encontrar outra pessoa, a esperança de reatar,

assim se deu por 1 mês e meio, ele perguntava como eu estava,

se estava com alguém, se ainda tinha nossas fotos e até que um dia eu percebi que isso estava me arrastando para trás,

estava eu lá em rede social catando saber da vida dele.

Pois então me revoltei, o exclui de tudo!

Não bloqueei, o exclui, ele me perguntou o pq fiz isso, disse que não tinha contato de nenhum ex e não via o pq ter o dele, ele respondeu apenas blz.

Depois disso me perguntou algumas vezes como eu estava e não obteve resposta.

Então eu pude perceber que não havia amor da parte dele, nunca houve, até pq amor é não deixar o outro partir, é estar junto e não querer perder, é aceitar o outro como ele é e não querer modifica-lo, é incentivar a pessoa a crescer na vida é a ser uma pessoa melhor.

E percebi tbm que estava faltando em mim amor próprio.

Cuidar mais de mim, da minha vida, fazer as coisas por mim e para mim, para me agradar e quem quiser estar comigo que esteja pelo que eu sou, do jeitinho que eu sou.

Ainda não estou bem, falta melhorar muito ainda.

Mas pelo menos já não sinto falta dele, não sinto esperança dele voltar, na verdade nem quero.

O que estava faltando era esse tempo para que eu pudesse me analisar internamente, me resgatar.

Esse comentário foi feito por uma leitora, e eu pedi permissão pra postar aqui esse relato incrível que na verdade, resume, tudo o que eu venho falando há anos aqui nesse blog.

 

Sobre como NÃO se abandonar, pois o preço é alto a pagar…

 

Imagina você se moldar à outra pessoa e ela te abandonar?

 

Imagina o ódio que você não fica por dentro? E principalmente o ódio de si mesma, que é o pior…

 

Ódio por ter se anulado tanto!

 

Ódio por ter tentado ser a melhor pro OUTRO, mas se apagando inteira.

 

Ou seja, um enorme esforço A TOA!

 

Porque ser quem você não é, traz graves consequências, como síndrome do pânico, depressão, entre milhares de doenças emocionais.

 

Porque você está ferindo a sua ALMA, e com sua ALMA não se brinca!

 

Eu não me anulo por ninguém!

 

Eu não troco de roupa porque um homem me mandou, ou disse que eu sou vulgar por querer sair de short quando está um calor de matar…

 

Como assim? Nem meus pais mandam em mim, imagina alguém que chegou agora na minha vida (mesmo que esse chegou agora já tenha dez anos ou mais…)

 

Quem era você antes desse relacionamento?

 

Você gostava de si mesma? Do que você gostava? Cabelo curto? Comprido? Roupa curta? Roupa longa?

 

E ele chegou, se apaixonou por quem você ERA, e aos poucos foi te moldando conforme ele queria?

 

Nossa, cuidado, pois você está ficando cada vez mais desinteressante aos olhos dele…

 

Cada vez que você abaixa a cabeça e troca o short pela calça…

 

Quando você decide deixar seu cabelo crescer, sendo que queria cortar bem curto…

 

Quando você deixa de ver suas amigas, porque ele diz que ela são más influências.

 

Quando você não pode olhar pro lado, que ele já acha que você quer traí-lo.

 

Isso não é amor…

 

E o problema não está em você…

 

É ele que é inseguro demais, e ao mesmo tempo UM ESPELHO TEU!

 

É, exatamente isso que você leu!

 

O outro só mostra a você, o teu interior, ou o que você nega.

 

Se você está com um homem ciumento, que quer te moldar, e você aceita isso, você só está provando pra si mesma o quanto precisa se fortalecer internamente!

O quanto precisa sujeitar o seu EGO para o que REALMENTE te enche os olhos…

 

Eu parei de ver a vida e meus relacionamentos como algo do acaso…

 

Hoje eu enxergo tudo como lição e aprendizado.

 

Afinal, estamos aqui na Terra pra evoluirmos.

 

A verdade é que o mundo só existe porque nós estando experimentando…

 

Então porque fazer da vida um drama.

 

Se você chegou até aqui, não foi em vão, não foi a toa você estar lendo esse texto, acredite em mim, você precisava disso!

 

Mas a pergunta que não quer calar, é:

 

O que você vai fazer a partir de agora, com toda essa informação?

 

Ainda prefere ser moldada, ou falar com a SUA voz, doe a quem doer?

Escrito por

Linda Cristina

Coaching de Relacionamentos, Autoestima e Valorização Pessoal