se de valorok lançamento maratona sitelivro desvendando o mistério compre agora

Essa é uma dúvida, porque muitas acreditam lendo o site, que nunca devem ser carinhosas, ou demonstrar amor… Mas é claro que podem e devem, mas existe um grande porém nisso!

O modo de como nós demonstramos amor chega a ser repugnante para o homem, meloso e  por isso que ele se afasta.

A mulher quando resolve demonstrar amor e carinho, ela o faz se anulando, e se perdendo de quem ela é, em prol de fazer as vontades do homem, e quando o homem percebe isso, a única coisa que ele quer é ir embora.

Isso não significa que você deva ser sempre fria e guardar todo carinho pra dentro de si. Mas você tem que saber dosar, saber dar na medida certa, sem ser demais, e principalmente sem se anular.

Certo dia uma leitora me disse que se casou, e que o marido era maravilhoso, mas que com o casamento ela decidiu demonstrar muito mais carinho e atenção, e com isso ela sentia que ele se afastava e muitas vezes ela pensava que ela fosse menos que ele por isso, se sentia menor, e dessa maneira o relacionamento ficou péssimo.

Depois que conversamos eu mostrei que ela havia se anulado, e que não ajudaria nada ela pensar que fosse um ser inferior a ele, pois é exatamente de quem ela é, sem precisar de excessos, que ele gosta.

Ela então percebeu que a cada grosseria dele, ela pensava mal dela, pensava que ela não tivesse qualidades e então na tentativa de compensar isso, ela se rebaixava por ele.

E com isso, ela decidiu não permitir mais isso, e simplesmente cuidou de si mesma, de sua vida, claro, sem deixar de ser gentil com ele, mas não tolerando mal respostas, e o que aconteceu?

O marido voltou a tratá-la com amor e carinho.

Moral da história: Não é se dar inteiraa que você estará o agradando, mas sim sendo quem você é. Sendo gentil e carinhosa, mas sem abrir mão de você e do que se gosta, fazendo algo para vê-lo feliz, mas sem passar por cima da sua felicidade!

 

Escrito por

Linda Cristina

Coaching de Relacionamentos, Autoestima e Valorização Pessoal