E lá se foi ele, saindo da minha vida e nem perguntou como eu me sentia, jogou todos meus planos pelo ralo, e me deixou na tristeza profunda.

Lá se foram meses, anos de convívio e em um belo dia, que nem foi tão belo assim ele disse: Adeus!

Eu sei teve brigas, tinha discussões, tinha ciúme, posse, falta de respeito aliás, tinha falta de tudo, até do principal: AMOR.

Quando a gente se apaixona, acabamos nos confundindo do que é realmente esse sentimento fugaz e neutralizante, mas com o tempo aprendemos a definir com mais propriedade.

Paixão você gosta das qualidades dele, do jeitinho que ele te fala, do toque na sua pele, você pensa: eu não vou viver sem esse homem, com ele eu vou ser feliz de verdade.

Você o quer todo dia, toda hora, levanta já com ele no pensamento, já faz programas com ele para a semana toda, você e uma mulher cheia das expectativas. Paixão faz isso. Paixão exerce esse poder de só pensar no outro vinte quatro horas por dia. A gente quer ter, poder, sentir… Queremos e achamos que podemos tudo. 

Mas paixão tem dias contados, tem tempo curto… 2, 3, 6 meses a um ano. Presta atenção quanto tempo vocês ficaram juntos, a maioria dos relacionamentos acaba justamente neste período curto de tempo. Quando passa disso, e porque justamente a paixão cedeu lugar ao sentimento, e junto com ele vem à rotina. Que destrói mais ainda vários relacionamentos de longa data. Se não soubermos lidar com esse algoz.

O problema maior de se ter esse pouco tempo para alavancar a relação, é porque nós (mulheres), agimos maioria das vezes pelo calor do momento, da aura contagiante de estar conhecendo o outro, até a parte que isso cessa, e você já não mais vê o outro como um ser perfeito. Lá vêm os defeitos, os apontamentos, as divergências de opiniões, e cobranças. Mude isso, mude aquilo, não gosto disso, não gosto daquilo, você é assim, você é assado. 

Nos primeiros meses, deixamos esses defeitos para debaixo do tapete, ignoramos tudo, fazemos vistas grossas, tudo para não perder a magia do momento. Engolimos seco, aturamos coisas do outro, nos anulamos. Se eu começar a falar, ele não vai gostar, ele vai embora, ele vai ficar chateado, e não vai me querer mais.

Ele, ele, ele. E você? Nada.

Se estiver mais preocupada com o outro, qual é a chance disso não prestar? 100%.

Preste atenção quando estiver conhecendo um moço, um paquera, ficando. Como seus hormônios mudam, sua pele fica viçosa, e seu semblante fica mais firme e rosado… Paixão causa isso. Você altera todo seu metabolismo os hormônios dão picos altíssimos de energia, mas olha só: você quer sentir, o cara quer ter prazer.

Fazendo as contas bate? De novo não!

E muito igual quando se conhece alguém, porque as perguntas que fazem são bem parecidas. Será que invisto nele, será que ele está afim da minha pessoa, será que ele tem sentimentos?

O desejo faz vocês quererem firmar, enquanto o homem só quer te pegar de jeito. 

Confesso, estou na fase agora, que quando conheço alguém não faço essas perguntas mais, porque parece que meu cérebro praticamente esqueceu-se dessas perguntas ao longo do processo. 

Eu fico olhando o outro, prestando atenção no que ele fala e diz, em tudo que ele se movimenta. E em poucos encontros consigo visualizar se ele vale ou não a pena investir.

Conheço desde janeiro um moço, e adivinhem o que listei dele nesse período:

Ele tem traumas;

Tem medos;

Não gosta de baladas;

E carente e infeliz;

Tem extremo medo de ser pai;

Fala compassado;

Não usa palavrões; Indeciso, lento e um pouco preguiçoso para fazer e agir.

Educado, gentil. Sabe tratar uma mulher bem, não tem preconceitos, é egoísta. E ele é caseiro à beça, o perfeito homem para se relacionar.

Se ele agir desta forma com uma mulher carente, ela vai acabar se apaixonando por ele rapidinho. Ele não some, não ignora, e todo gentil no trato. Meninas, o famoso cara que deixa muito mulher querendo namorar ele.

Mas então porque você está aí toda na sua, e não pega esse homem para você hein? Algumas devem estar se perguntando. Pois é, mas ele tem tudo isso que citei defeitos, qualidades, mas ele não se envolve. Está tomado por traumas que teve em relacionamentos passados, vive a sombra disso o tempo todo. E não relaxa para curtir.

Se você tentar fazer ele mudar, visualizar o mundo cor de rosa, irá se cansar tanto, que no final não terá mais energia para se manter de pé. E assim ele vai embora, e você fica com a vida toda um bagaço.

O que disse agora e para vocês analisarem que não existe paixão, eu estou pegando o real dele inicialmente desde o primeiro encontro. Não tem euforia, não tem ah será que ele está afim? 

Já nós vimos pessoalmente me deixa contar: uns 10 encontros. Já ficamos, mas decidi parar. Mas por quê? E porque não estou a fim de ficar falando toda hora pra ele parar de ficar olhando com aqueles olhos de peixe morto que a vida é boa. 

Vai marcar algo, fica deitado na cama dizendo: está tarde, é perigoso sair na rua essa hora, hoje corri de bike 155 km, estou cansado, com dor de cabeça… Logo eu que não reclamo de nada, que não tenho tempo ruim? 

Gente, não dá para investir nisso. Nem para uma rapidinha depois do almoço me serve.

Portanto o que contei agora para vocês é para que olhem como quando você não tem paixão, as coisas ficam claras e se mostram como elas são. Não tem magia, não tem euforia. E você sabe conhecer o outro em pouco tempo.

E é assim que os homens fazem, eles esperam, analisam, e ficam jogando coisas para ver sua reação. E você está lá toda apaixonadinha da silva por ele. Vai me diga, como é o seu homem que está ficando, querendo namorar? Faz analise dele, para de ficar dizendo que ele é perfeito porque não é. Enumere os defeitos que já encontrou nele no pouco tempo que o conhece. Vamos!

E complicado entender isso? Buscar aperfeiçoar neste quesito? Pode até ter paixão, mas não deixe que ela te cegue.

Sara Oliver